Notícias de Mercado

22/08/19

Prévia da inflação fica em 0,08% em agosto, aponta IBGE

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, ficou em 0,08% em agosto, informou nesta quinta-feira (22) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado ficou próximo do registrado no mês anterior, que foi de 0,09%, e foi o mais baixo para um mês de agosto desde 2010, quando registrou queda de 0,05%.

 

No ano, o indicador acumula alta de 2,51% e, em 12 meses, de 3,22%, resultado abaixo dos 3,27% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em agosto de 2018, o IPCA-15 foi de 0,13%.

 

De acordo com o IBGE, a energia elétrica foi a principal responsável por pressionar a inflação no mês. Com alta pelo 7º mês seguido, as tarifas tiveram aumento de 4,91% na passagem de julho para agosto, depois de ter avançado 1,13% no mês anterior. Com isso, o grupo da habitação teve alta de 1,42% no mês, respondendo pelo maior impacto no indicador, de 0,23 pontos percentuais.

 

Apesar da alta na energia elétrica, quatro dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE tiveram deflação em agosto, incluindo Transportes e Alimentação e Bebidas, que têm grande impacto no bolso dos brasileiros.

 

Veja a variação de todos os grupos:

 

·         Alimentação e bebidas: -0,17%

·         Habitação: 1,42%

·         Artigos de residência: 0,82%

·         Vestuário: -0,07%

·         Transportes: -0,78%

·         Saúde e cuidados pessoais: -0,32%

·         Despesas pessoais: 0,27%

·         Educação: 0,07%

·         Comunicação: 0,44%

 

Gasolina tem segunda queda consecutiva

 

O grupo de Transportes foi responsável pelo maior impacto negativo (-0,14 p.p.) na inflação do mês. Ele apresentou deflação de 0,78%, depois de ter recuado 0,44% em julho. A queda foi puxada, novamente, pelos combustíveis (-1,70%).

 

A gasolina recuou 1,88%, a segunda queda consecutiva, e foi o maior impacto individual negativo no indicador mensal (-0,08 p.p.). Etanol (-1,09%), óleo diesel (-1,70%) e gás veicular (-0,07%) também tiveram queda.

 

Passagens aéreas com queda de 15,57%

 

Também pressionando a queda do grupo de Transportes estão as passagens aéreas, que respondeu pelo segundo maior impacto negativo individual (-0,07 p.p.) no IPCA-15 de agosto. Após as altas de junho e julho (18,98% e 18,10%, respectivamente), as passagens aéreas apresentaram queda de 15,57% no mês.

 

Alimentação em queda

 

O grupo de alimentação e bebidas apresentou queda de 0,17% em agosto depois de ter registrado ligeira alta (0,03%) em julho. O resultado foi pressionado, sobretudo, pela alimentação no domicílio, que registrou queda de 0,45% no mês.

 

Segundo o IBGE, a maior pressão negativa sobre o preço da alimentação partiu do tomate, cujos preços médios tiveram queda de 14,79%. Em seguida, as quedas mais relevantes foram da batata-inglesa (-15,09%), hortaliças e verduras (-6,26%) e feijão-carioca (-5,61%). Dentre os itens que subiram, os destaques ficaram com as frutas e com a cebola que subiram 2,87% e 15,21%, respectivamente.

 

Deflação em seis regiões

 

Das 11 regiões pesquisadas pelo IBGE, seis registraram deflação na passagem de julho para agosto. A mais intensa foi observada em Goiânia (-0,29%), em função da queda observada nos preços da gasolina (-5,63%).

 

Dentre as regiões que tiveram alta na inflação, o destaque ficou com São Paulo, onde o indicador ficou em 0,31% pressionado pela alta de 7,51% no item energia elétrica.Metodologia

 

Para o cálculo do IPCA-15, o IBGE coletou os preços de produtos e serviços entre 13 de julho e 13 de agosto de 2019 (referência) e comparados com aqueles vigentes entre 13 de junho e 12 de julho de 2019 (base).

 

O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.

 

O IPCA-15 difere do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apenas no período de coleta, que abrange do dia 16 do mês anterior ao 15 do mês de referência, além da abrangência geográfica

 

Fonte: G1 - Economia