Notícias de Mercado

17/10/19

Black Friday: maioria dos consumidores não deve utilizar o 13º para compras

Uma das mais importantes datas para o comércio no segundo semestre é a Black Friday, que irá acontecer no dia 29 de novembro, coincidindo com a data limite para o pagamento do 13º salário. Mas se engana quem acha que o dinheiro irá diretamente para as compras: de acordo com o site oficial da data promocional, 74% dos brasileiros que receberão o benefício afirmaram que não irão usá-lo para compras.

 

“Os brasileiros costumam usar o 13º para quitar alguma dívida. Esta renda extra ajuda indiretamente nas compras da Black Friday, visto que o consumidor tem mais liquidez; mas não diretamente, como esperado. Isso demonstra maior maturidade do brasileiro em relação ao consumo”, disse Ricardo Bove, idealizador do portal Black Friday.

 

Ainda segundo o estudo, 82% dos consumidores brasileiros costumam utilizar o cartão de crédito para pagar as compras na Black Friday e 69% parcelaram suas compras em 2018.

 

De acordo com Bove, os produtos com maior procura no Black Friday são smartphones e televisores. “São itens mais caros e o consumidor pode esperar para comprar, se planejando, inclusive guardando dinheiro para comprar”, analisou.

 

Entre as pessoas que irão fazer compras na data, 98% irão comprar itens para si este ano. Dessa forma, analisando os produtos adquiridos no ano passado e aqueles que elas pretendem comprar, é possível perceber que grande parte aproveita a data para trocar de celular e renovar a casa.

 

O primeiro item que será mais procurado este ano é o celular: 37% dos consumidores disseram que pretendem comprar um novo. Em segundo lugar estão os eletrodomésticos, com 36% das intensões de compra.

 

Os aparelhos de TV de última geração em promoção são a terceira opção mais desejada pelos consumidores na Black Friday, com 29% da preferência.

 

Em 2018, 51% dos entrevistados afirmaram que fizeram pesquisa de preços dos produtos da sua lista. 97% dos consumidores dizem que já tem uma ideia dos preços antes do evento de compras. Mas, além das compras planejadas, 51% dos consumidores contaram que adquiriram itens que não estavam planejados.

 

“Isso mostra que os brasileiros se preparam para o evento, mas muitos também acabam se rendendo às oportunidades da data. Eles acessam o site para ver as ofertas e se deparam com grandes descontos, isso faz com que eles queiram aproveitar. E eles não gastam pouco”, relatou Bove.

 

A previsão de gastos na Black Friday não é pequena. 70% dos pesquisados afirmam que pretendem gastar mais de R$ 500, e quase a metade dos consumidores, 47%, mais de R$ 1 mil. Além disso, 26% também pretendem comprar presentes para terceiros, sendo que 42% destes pretende desembolsar menos de R$ 200.

 

O preço, como já era esperado, é o principal fator que determina a compra para 90% dos entrevistados. No entanto, indo de encontro com essa lógica, o segundo fator mais importante para os brasileiros é a confiança na loja, com 61% da preferência, estando à frente inclusive do custo do frete, considerando fundamental por 45,1%.

 

“O mercado online brasileiro ainda está em consolidação, diferente dos EUA e Europa, por exemplo. Por ainda ser uma novidade para muitos, o brasileiro tende a ser desconfiado no que diz respeito ao meio digital. Por isso, ele é mais fiel e tende a comprar sempre na loja que já conhece e teve boa experiência”, esclareceu Bove.

 

Fonte: Mercado e Consumo