Notícias de Mercado

12/02/19

Internado, Bolsonaro determina que Guedes retome taxa para leite em pó importado

Pressionado por produtores nacionais de leite, o presidente Jair Bolsonaro determinou ao ministro da Economia, Paulo Guedes , retomar a tarifa para a importação de leite em pó  oriundo da União Europeia e da Nova Zelândia. A taxa, chamada de antidumping, era de 14% e não foi renovada.

 

Mesmo internado e se recuperando da cirurgia, em São Paulo, com restrições de visitas, Bolsonaro foi fortemente pressionado por produtores de leite por conta da decisão do governo de derrubar a taxa antidumping.

 

A taxa de 14%, era renovada sucessivamente desde 2001. Com o imposto de importação, hoje de 28%, a soma chegava aos 42% para importação de leite da Nova Zelândia e da União Europeia. O alto valor do imposto funcionava como uma barreira de proteção para os produtores nacionais. Sem essa soma, produtores locais temem que a entrada do produto importado prejudique o agronegócio do país.

 

Desde a semana passada, Bolsonaro manteve conversas com o setor de leite, importante base de apoio para a eleição do presidente, que pediu a retomada da tarifa maior. O presidente ligou para Guedes e determinou ao ministro resolver a questão. Na avaliação do presidente, os produtores locais não podem sair perdendo.

 

Agora, o Ministério da Economia está estudando como retomar a taxa antidumping, já que o Brasil pode até ser punido se tomar medidas protecionistas sem justificativa. Se a taxa não for retomada, o governo deve adotar alíquota de importação para compensar a perda.

 

O Ministério da Agricultura afirma que cerca de 1,2 milhão de estabelecimentos rurais são dedicados à produção de leite no país. Para a pasta, o antidumping foi eficaz e decisivo para a rentabilidade do setor e permitiu a manutenção dos produtores rurais na atividade. Antes da implementação da medida, os preços pagos aos produtores de leite estavam em queda, sustenta a pasta.

 

Fonte: O Globo - Rio de Janeiro