Notícias de Mercado

08/04/19

Faturamento do atacado distribuidor cresce 2,84% em fevereiro

Banco de Dados da ABAD mostra setor em recuperação em relação ao primeiro bimestre de 2018. Expectativa é de que governo aprove a reforma da previdência ainda no primeiro semestre para atrair investimentos e, consequentemente, gerar mais empregos e renda.

O faturamento do setor atacadista distribuidor cresceu 2,84% em fevereiro em relação ao mesmo mês do ano passado, mostrando que o setor mantém o ritmo de recuperação nesse início de ano. A pesquisa mensal da ABAD (Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados), apurada pela FIA (Fundação Instituto de Administração), revela, em termos nominais, que o faturamento teve alta de +3,82% no primeiro bimestre de 2019 na comparação com o mesmo período de 2018. Em relação ao mês de janeiro de 2019, houve recuo de -6,93%, movimento considerado normal nessa base de comparação para o início do ano.


"Ao entregar o texto da nova Previdência no Congresso, o Executivo deu um importante passo para o ajuste das contas fiscais. Essa sinalização positiva precisa se consolidar com a aprovação ainda no primeiro semestre. Dessa forma, teremos um ambiente de negócios mais seguro, propiciando a entrada de mais investimentos no país e, consequentemente, a geração de emprego e de renda para a população retomar o patamar de consumo pré-crise", avalia Emerson Destro, presidente da Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores (ABAD).


Em termos reais, o faturamento do setor ficou estável, com leve recuo de -0,01% nos dois primeiros meses do ano em relação ao primeiro bimestre de 2018. Na comparação com o mês de fevereiro de 2018, a queda foi de -1,01%. Frente ao mês de janeiro de 2019, a retração foi de -7,33%.

 

 ABAD

A ABAD representa nacionalmente um setor que faturou mais de R$ 259 bilhões em 2017. Atendendo diariamente mais de um milhão de pontos de venda em todos os 5.570 municípios do país, os atacadistas e distribuidores cumprem importante papel social, pois, além de dar capilaridade à distribuição de produtos industrializados essenciais por todo o território nacional, é responsável por movimentar as economias locais, gerando mais de 460 mil empregos diretos e 5 milhões de empregos indiretos nos estabelecimentos varejistas do país.

 


Fonte: Assessoria de Comunicação da Abad